sábado, 19 de novembro de 2011

Não era errado sentir, errado era deixar todos aqueles fatos passarem em branco.

domingo, 16 de outubro de 2011

E quem já não se sentiu perdido em meio de campo, despido de arma alguma?

sábado, 1 de outubro de 2011

Tempo e Espaço

TEMPO e ESPAÇO.

Dois dos 4 Fatores do Movimento analisados por R. Laban.
Destaco esses dois fatores (tempo e espaço) pois os movimentos, aqui olhados não pelas movimentações físicas, mas sim de vida. Tempo e espaço do real cotidiano.
Esse atraso ou adiantamento que nos invade nos toma satisfação a toda hora, nos coloca na parede e nos joga na cara nossa idade, nossas escolhas e os resultados delas aparecem como que em um placar para nosso prazer e agonia.
O fato é que estamos em movimento a todo o momento, estamos fazendo nossa história a cada minuto e tecendo um conjunto de informações que tendem muitas vezes serem úteis ou certas vezes desnecessárias, a questão é que precisamos viver e experimentar, degustar dessas escolhas, transformações e novidades, mesmo que não sejam tão boas, ainda sim, saboreá-las.

Experimente meu amigo, sem medo do tempo e espaço que isso dure. Nunca é tarde e nunca é tão cedo, desde que se tenha bem vivido.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Conversas com as Promessas

Como passo sem ver tudo isso?
Que diabos estava pensando que deixei passar batida tantas coisas? Um fato. Sempre estiveram aqui, eu que as deixei ali, no canto mofando em algum lugar em mim, perdidas.
Olhei para elas, nos deparamos outra vez, era engraçado de como já não eramos tão familiares, eramos mais amigos, dormiamos e acordavamos juntos.
Foram elas que me deram o tapa no ombro aquele dia no ônibus quando eu estava com medo. Lembrei dessa cena, não quero esquecê-la outra vez.

Caramba! Mostrei a elas até onde havia chego, os últimos acontecimentos, as machucaduras e confusões da alma, alguns sonhos temerosos e outros por hora até que bonitos, nem sei se válidos, mas bonitos mesmo assim.

Vamos selecionar e visualizar juntos, me disseram elas. Falei, ok!

Vamos ver o que mais tem por aí, estamos vivos não é mesmo, juntos novamente. Senti o arrepio que gostava de ter diante a uma expectativa, conversei com as minhas Promessas, todos nós temos algumas, pensei nas minhas.

Algumas já morreram e não se tem o que fazer, nada de choros ou remorsos, viveram no tempo que eram para ser vividas, se permaneceram é porque são por hora importantes, mas gosto das mudanças, transformações, essa metamorfose da vida.

Sinto uma urgência de resgate, sinto a forte necessidade de permanecer em mim.

sábado, 13 de agosto de 2011

Fato

"O fato é que ainda existem coisas bonitas. Outro fato é que estou calmamente e outra hora desesperado atrás delas".

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Calçado Cansado

Já calcei o sapato bonito. Já coloquei no rosto meu melhor sorriso estampado.
Com tudo isso quase morri, mesmo assim, quase morri.
Tenho usado meu calçado cansado, tenho sorrido menos. Não posso ficar vestido assim, mas também não posso correr o risco de perambular por aquelas ruas, aquelas que não eram feitas de pedrinhas bonitas.

"... E são tantas marcas que já fazem parte do que eu sou agora, mas ainda sei me virar..."
(Herbert Vianna, in "Lanterna dos Afogados")

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Cretino extinto

Podemos chamá-lo de nada, de tudo ou de quase alguma coisa desde que ao menos o tenhamos tido, estado com ele, vivido por ele em alguns instantes de nossa própria vida. Passado pelo seu estado de não saber ser, não entender o sentir. É só viver para poder saber que nem sempre é um bom amigo, mas sempre estará ali. Cretino instinto esse nosso de querer amar.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Daquilo, sabe...

O que se deve fazer quando a música da caixinha bonita de música parou de tocar? Quebrou.
O que devemos fazer quando o sonho não é mais sonhado e lembrado após o nosso despertar? Noites mal dormidas.
Qual ingrediente que reúne a cura para a falta de gosto nas coisas? Estômago machucado.
O que você faz quando teme algo que se passa dentro de você, sem ordem, só vem com tudo te arrombando a porta e tomando sua paz? Intuição.
Como se faz para olhar sem lembrar, sem sentir? Choro insistente.
Me conte como sair, caminhar, chegar perto? Repulsa.
Onde se firmar, ficar mais forte? Alma cansada.

O "o que", o "qual" e o "como" de tudo isso eu não sei, só posso deixar. Deixar para ver o que dá, se dá e que de mim ainda existe nisso tudo.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Sonhando

Parti sem tirar meus pés daqui, saí de mim, plano astral da alma, da vontade de viver o que sonho, o concreto de planos, tudo bem longe daqui.
Retorno frustrante. A realidade consome demais a gente.

Voltei a dormir. Quem dera ser pra sempre.


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Tênue

Um ato. Um único ato para se ferir a alma de quem só te quer bem.
A linha tênue, risca leve. Apagada? Nem tanto.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Depois de tudo isso...


Um tanto congelado, quem sabe.
O fato que eu sei das coisas, não todas, algumas só.
Me enganei, tropecei e arranhei a pele, meu estômago que dói tanto.
Impaciência no esperar, sem sono para escapar da agonia das horas.
A chave do baú ao lado, a entrada que te feriu a alma, eu sei que feriu.

Chorei por isso, chorei por duvidar e mesmo assim errei de novo.

Prometo, nunca mais. Juro por você, por mim, por nós.
Nunca mais medo, nunca mais o peso do receio, do falso engano.

Hoje mais quente, ao menos mais disposto.
Disposto a deixar pra lá, a deixar que seja.
Seja como os dois queiram que seja.
Não só meu, não só teu. Do nosso jeitinho de ser.
E mesmo assim um, dois, mas não mais que isso.

Duas vias, uma mão dupla e o esforço diário pelo vir e ir, para o outro.



domingo, 24 de abril de 2011

Necessitado

Hoje toparia tudo.
Largaria meu quarto e fugiria com você, encararia uma difícil realidade.
Qualquer coisa para dormir ao seu lado todos os dias.

Tudo para te mais perto, mais perto, mais perto...
Eu, grudento e chato, necessitado de você.



quinta-feira, 31 de março de 2011

Só te quero.

E eu que amo cada partizinha de você.
No mais só te quero bem, só te quero perto.

Só te quero.

Passe

Sempre quis reter o tempo.
Reter o máximo a vida,
reter ao extremo o que é bom,
reter tudo quanto podia.

Agora só quero que passe.
Passe logo os minutos,
que passe logo as horas,
que passe logo o dia.

Logo quero dizer aqui que sobrevivi.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Um ato

Um bucadinho meu espalhado sobre o seu quarto,
um tanto teu carregado aqui comigo.
Quando não se precisa mais ficar muito longe,
eu que só vivo nessa urgência de te ver.

Sua existência. Um ato que basta pra mim viver.
Te Amo.

sábado, 19 de março de 2011

Verbos

Como é difícil às vezes o verbalizar de tantas coisas.
Garganta presa,
mãos mordidas
e a coragem que um dia chega.

Tenho um grito abafado em mim. Verbos não ditos.

terça-feira, 8 de março de 2011

Escutei uma música da adolescencia. Só pensei, ri de mim.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Respiro

Não me dê tempo para respirar,
quero sugar todo ar que te rodeia.
Pulmões cheios do cheiro da boca, da pele,
da roupa suada de um abraço longo.

Da Frase pra Frase (2)

Tome meus neurônios para que se veja através dos pensamentos daquele que não para de pensar em você.
Pra você, todos os pedaços de mim.


*Para quem quiser conhecer a frase que gerou a frase acesse http://migre.me/3Xgte - Introspectivo Camaleão de Max Cordeiro.
É bom compartilhar o que é bom!

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Revogação

Chutei o pau da barraca e não exitei, disse que seria assim de agora em diante, pronunciei o revogado: um novo ato de se viver bem.

Amor a moda Antiga

Arranjei-lhe flores e uma caixinha de chocolates brancos.
Ensebei o cabelo e coloquei a gravata borboleta no pescoço, era um sinal para ela, era um modo de lhe mostrar sua essencial importância, para mim um ato honroso.
Cheguei meio manso com aquele ramalhete por de trás da costa, lancei-lhe um olhar de te quero bem e sem graça entreguei meu presente.
Com gosto ela recebeu e um beijo no rosto me deu, ambos de bochechas vermelhas, era fato, estávamos nos amando.

Por fim ficamos todo prosa, rindo de detalhes bobos, de coisas da vida.
Eu, ela, flores e uma caixinha de chocolates brancos, faltou a lua é claro, mas esta só ficou de rabo de olho assistindo aqueles dois patetas do amor.

Já ficou tarde, o ponteirinho do meu relógio de punho me dizia a triste notícia de despedida.
Ajeitei a gravata, passei a mão no cabelo e a deixei em casa.
Mas não fui palerma não! No caminho, na calçadinha de pedras dei um beijo nela.

Uma reação, uma queimação no estômago me indicava o certo.
O certeiro sentimento que guardei por ela, um pedido romântico:

- Quer casar comigo pequena?
E na inocência de menina ela disse...
- Por toda vida, sim.




E desse amor antigo o que temos dele no hoje? Nunca pare, sempre insista no fazer o outro feliz.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Coisa rara

Silêncio por aqui é tão raro que quando chega tranco tudo para não mais sair, é uma pena, logo vai se embora e só me sobra a gritaria.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Da Frase pra Frase

"Nunca é o bastante, nunca vai ser. Uma mortalidade que habita em nós pela inevitável natureza e o anseio por mais tempo dessa inevitável sede de quem quer mais vida".





*Foi a sensação que senti quando li a uma frase da Jéssica Damasceno e achei bom postar por aqui também.
Para quem quiser conhecer "a frase que gerou a frase" fica aí o endereço do Blog: http://jessicasilvinhad.blogspot.com

domingo, 30 de janeiro de 2011

Fraseando

"Joguei ao nada um pedaço de mim. Sou muito e do meu muito me espalho".

"Hoje o complicado se mostrou precário ao simples viver".

sábado, 29 de janeiro de 2011

Diamantes

E quem nunca deixou escapar um de seus diamantes e deixá-los cair ao chão?
Frustração.
Desanimo.
Perda. É uma pena mesmo.
Mãos apertadas para segurá-los com mais força, olhos abertos para termos mais cuidado e dedicação para tê-los pra sempre. Para toda a vida.

Sempre tê-los. Diamantes.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Necessidades

Um único pedido para uma única noite.
Eu. Você. Um espaço invisível ao ficar na ociosidade de se fazer amor.

Precisando ficar a sós com você. Necessidades.

"Não pisava no chão, mas também não tinha asas para voar".

(fragmento - Sentimentos de tempos)

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Escolha

O que é a escolha se não uma oportunidade de (RE)inventar ou fazer diferente?
Inventei uma nova história. Creio que tenho escrito as melhorias linhas de toda a minha vida.
Hoje para mim escolha é isso.

"Não vou nem para um lado e nem para o outro, muito menos para trás, o meu negócio é ir para frente".
By D. Sandra.
A quem eu amo e agradeço pela a diferença que faz nos meus dias.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Sem jeito

Não encontrei nenhum verso rimado,
nenhuma palavra expressiva,
nenhum momento certo,
nem uma roupa que me servisse bem.

Fico tão sem jeito quando você está perto.
Já não sei se existe um modo. Algo que seja certo.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Fraseando



"Vivo em uma
rotina noturna.
Logo isso acaba,
logo eu durmo".










"Uma gota de sanidade
sob um copo de perversão.
Mas só uma gota,
e nada mais".

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Uni

Em todo lugar,
nos diversos pensamentos,
com toda a força desse mundo.
A unipresença, unisciência e unipotência de se experimentar amor.
Que bom, somos dois. Que ótimo! Nunca mais sozinhos.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Esquecido

Escrevi. Li e reli. Pra mim era fato. Me gerava argumentos. Questionamentos. Por isso resolvi apagar. Mudar de história. Esquecido por opção e não por desleixo.
Se é possível? Isso já não sei. Vou tentando.
Falar de distância necessita dialogar sobre novas pontes, maneiras de se sentir mais perto.