terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Amor a moda Antiga

Arranjei-lhe flores e uma caixinha de chocolates brancos.
Ensebei o cabelo e coloquei a gravata borboleta no pescoço, era um sinal para ela, era um modo de lhe mostrar sua essencial importância, para mim um ato honroso.
Cheguei meio manso com aquele ramalhete por de trás da costa, lancei-lhe um olhar de te quero bem e sem graça entreguei meu presente.
Com gosto ela recebeu e um beijo no rosto me deu, ambos de bochechas vermelhas, era fato, estávamos nos amando.

Por fim ficamos todo prosa, rindo de detalhes bobos, de coisas da vida.
Eu, ela, flores e uma caixinha de chocolates brancos, faltou a lua é claro, mas esta só ficou de rabo de olho assistindo aqueles dois patetas do amor.

Já ficou tarde, o ponteirinho do meu relógio de punho me dizia a triste notícia de despedida.
Ajeitei a gravata, passei a mão no cabelo e a deixei em casa.
Mas não fui palerma não! No caminho, na calçadinha de pedras dei um beijo nela.

Uma reação, uma queimação no estômago me indicava o certo.
O certeiro sentimento que guardei por ela, um pedido romântico:

- Quer casar comigo pequena?
E na inocência de menina ela disse...
- Por toda vida, sim.




E desse amor antigo o que temos dele no hoje? Nunca pare, sempre insista no fazer o outro feliz.

7 comentários:

  1. "Por fim ficamos todo prosa, rindo de detalhes bobos, de coisas da vida.
    Eu, ela, flores e uma caixinha de chocolates brancos, faltou a lua é claro, mas esta só ficou de rabo de olho assistindo aqueles dois patetas do amor."

    QUE COISA MAIS LINDA! ADOREI A PEQUENA NARRATIVA! AH! SE AINDA TIVESSE AMOR ASSIM...

    ResponderExcluir
  2. No mais vamos tentando achar, ou fazer do nosso amor o mais pateta possível.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Fico realmente feliz quando encontro textos assim, com uma leveza e beleza singular. Narrativa envolvente também, é como se estivesse presenciando esse amor com os próprios olhos, um amor a qual não enxergo mais nos dias atuais, em que tudo é tão rápido e tão louco. Mas cabe a mim suspirar e sonhar, não custa nada afinal. E revigora.

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Que bom, me enche os olhos ler isso, saber que fez diferença em você! Grato de coração.
    E vamos sonhando juntos e fazendo o possível para sermos meios de amor assim.

    Mais uma vez obrigado pelo carinho e por acompanhar o blog, sempre bem vinda.

    Abração.

    ResponderExcluir
  5. ai que delícia ler um texto assim escrito em 2011!
    parabéns!!
    vejo que não é só com os pés que leva jeito!hihihi

    beijos e saudades!

    ResponderExcluir
  6. Oi Fran,
    Obrigado pelo comentário! Que bom que curtiu =*

    ResponderExcluir
  7. Lindíssimo...um amor que quero pra mim,que poucos irão conhecer...aliás,eu já tenho o meu...por toda a vida!
    Parabéns pela sensibilidade,adorei!

    ResponderExcluir

Obrigado por compartilhar aqui! =D
#feliz