sexta-feira, 21 de junho de 2013

Hoje

Hoje é um daqueles dias que só preciso ficar com você,
deitado no peito, sem falar de protestos, sem falar de trabalho, um dia só para se falar de amor.

Só nós dois.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Que pena

Têm dias em que a alma pesa.
Há dias em que a única coisa que se espera é ter a leveza de uma pena e voar para bem longe. 

Sem a dor e sem a tristeza. Sem nenhuma pena.


sexta-feira, 15 de março de 2013

Professor de Dança

Amo o que faço.

Peço a vida força para fazer Dança de maneira incansável, da mesma maneira que aprendi com os meus mestres.
Na minha rigidez em ensinar estão valores de força, de busca pela superação e da construção do corpo. Valores que vão além de dançar, mas princípios que se estendem em outras áreas da vida.

Vejo meus alunos crescendo. Do mais novo ao mais velho. Vejo corpos diferentes. Vejo neles a sede em aprender.
Vejo transformação por meio a arte, e arte não é vida? Não é a mais pura expressão de uma mente, de um coração que vive? Pois bem, os vejo vivendo, evoluindo e me sinto grato por fazer parte disso!

Sou chato, sou perfeccionista, durão e grito. Sou artista, sou bailarino e professor de dança clássica.
Apaixonado por cada aluno.
Viciado em contagens de oito tempos, viciado em pensar exercícios e sequências boas e novas. Quero a cada dia ser melhor no que faço, não só por mim, mas por cada corpo que durante a minha caminhada vou encontrar.  Passagem que produz a troca, a soma e o compartilhar.

Amo o que faço. A cada dia amo mais.


domingo, 3 de março de 2013

No quarto a noite

Hoje o quarto está pequeno, a cama para nada mais serve e essa vontade de vida que já não cabe mais em mim. Preciso sair.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Pobreza de alma

O pior abandono é quando deixamos para trás a alma.
Essa quando se perde padece o corpo, a mente morre e coração vive a pedir por mais, até as migalhas ele come.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Proza e Melodia



"Quando a proza é boa vale encantá-la com melodia.
Quando amar é gostoso a quem cante noite e dia".


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Fraseando


"E assim nós vamos compondo um pouquinho da vida: de letra em letra, de dia-a-dia".

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Livre

Ficava por horas de olhos fechados
Um colorido infinito, tudo ao alcance de suas mãos
Nunca quisera sair dali
Nunca quisera sair

Sabia que a liberdade começava em si. Por isso era livre.
Porque sabia.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

{ Ma[tem(po)]ática }

Levantou tarde como todos os outros dias. Ficou parado os exatos quarenta e cincos segundos sentado na cama a coçar a sua cabeça até decidir se levantar.
Foi até a pia do banheiro, trajeto rotineiro. Olhou no espelho e admirou como crescera sua barba de maneira tão rápida, como de fato tudo era rápido: o sono era rápido, o tempo para despertar era rápido, o ontem passou tão rápido... Ficou pensando com ele mesmo.
Tão veloz, o tempo vai passando e pouco se importa se estamos prontos ou não.

"-Tomara que eu esteja!" disse ele para si mesmo.

Ontem mesmo estava com seu quatorze ou quinze anos de idade, hoje está velho e mal se levanta para sair da cama.
Sem mais exatos quarenta e cinco segundos, sem mais ida a pia sozinho, hoje quase sem memória de quando vez a barba pela última vez.

Horas somadas em horas e subtraídas em tempo útil de vida. Matemática chata essa, deduziu um dia ele.


quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Diferença linda


Uma dose de absurdos inaceitáveis.
Um brinde ao feio, ao estranho e desprezível.
Aplausos para o discurso fajuto.
Bravos para o compasso incerto, o andamento desafinado e a dança fora da música.
Quero o nada perfeito, a não-regra, o não-correto.
Desejo aquela cor que ninguém mais quer.
Não ao comum a todos.
Sim para o diferente, na sua diferença serás lindo.




Postagem que dedico a Roberta Baêta, que por dançar fora da música cometeu suicídio em dezembro, discriminada em sua família por ser atéia.
Um desabafo sobre desejar o que as pessoas desprezam e julgam.
Vou continuar a aplaudir de pé o discurso taxado muitas vezes de fajuto, como se querer os direitos civis como o casamento gay, por exemplo, é besteira. E tantas outras maldades para com o diferente.