sexta-feira, 15 de março de 2013

Professor de Dança

Amo o que faço.

Peço a vida força para fazer Dança de maneira incansável, da mesma maneira que aprendi com os meus mestres.
Na minha rigidez em ensinar estão valores de força, de busca pela superação e da construção do corpo. Valores que vão além de dançar, mas princípios que se estendem em outras áreas da vida.

Vejo meus alunos crescendo. Do mais novo ao mais velho. Vejo corpos diferentes. Vejo neles a sede em aprender.
Vejo transformação por meio a arte, e arte não é vida? Não é a mais pura expressão de uma mente, de um coração que vive? Pois bem, os vejo vivendo, evoluindo e me sinto grato por fazer parte disso!

Sou chato, sou perfeccionista, durão e grito. Sou artista, sou bailarino e professor de dança clássica.
Apaixonado por cada aluno.
Viciado em contagens de oito tempos, viciado em pensar exercícios e sequências boas e novas. Quero a cada dia ser melhor no que faço, não só por mim, mas por cada corpo que durante a minha caminhada vou encontrar.  Passagem que produz a troca, a soma e o compartilhar.

Amo o que faço. A cada dia amo mais.


domingo, 3 de março de 2013

No quarto a noite

Hoje o quarto está pequeno, a cama para nada mais serve e essa vontade de vida que já não cabe mais em mim. Preciso sair.